Pirâmide do Pertencimento

O que mais lhe faz feliz no ambiente de trabalho? Essa pergunta foi feita para 23.000 pessoas em 45 países pelo Institute Globoforce Work Human. E sabe qual a resposta número 1? Sentir-se parte de um time, grupo ou organização. Isso é o que a pesquisa afirma: sentir-se parte é o que mais gera felicidade entre os profissionais. Estamos falando em outras palavras do sentimento de pertencimento. Pertencer apresenta dois significados no dicionário: “ser propriedade de” (no sentido permanente), e “fazer parte de” (no sentido temporário). Ou seja, quando alguém trabalha em uma empresa, seja empresário ou executivo, não se torna propriedade dela, mas pode pertencer a ela no sentido de “fazer parte”.

Quero dividir com você a “pirâmide do pertencimento” que construí para ajudar aqueles que querem fortalecer em si mesmo esse sentimento de fazer parte de um time, grupo ou organização.

Primeiro, olhe para o topo da pirâmide. Qual o propósito do grupo ou empresa que você faz parte? Esse propósito é alinhado com o seu?  Quando há sintonia entre propósitos, gera-se a primeira motivação a pertencer, o que chamamos de “inspiração”. Na minha percepção, é saudável trabalhar com pessoas que tenham ideias divergentes, mas não considero recomendável fazer parte de um time ou trabalhar em um lugar que tenham valores ou propósitos diferentes dos seus.

Agora vamos direcionar o olhar para a base da pirâmide e dar o segundo passo: dê a si mesmo a permissão para se inserir. É responsabilidade de cada um se inserir no ambiente que decide fazer-se presente. Cabe a você dar o passo para conquistar o seu espaço. Não são os outros que vão curar a sua dor de ‘não pertencer’. Não são os outros que tem a responsabilidade de fazer você sentir-se parte. Essa permissão é dada primeiramente por você a si mesmo. Muitos culpam os outros porque se sentem “excluídos” sem terem feito o esforço próprio de se inserirem.

Terceiro passo: perceba o outro e o ajude a se integrar. Embora não seja sua obrigação e nem de ninguém inserir alguém, volte o seu olhar para o seu entorno e contribua com aqueles que estão com dificuldade de interagir. Ajudando o outro a se integrar ao grupo, o sentimento de pertencimento crescerá tanto no outro quanto em você próprio. Colaborar para que o outro se sinta pertencente aumenta seu engajamento e seu espaço no ambiente.

E por fim, o quarto passo: participe! Faça-se presente. Não seja um mero observador do que acontece ao seu redor. Onde quer que você esteja, interfira positivamente. Não pertencemos a um grupo simplesmente porque somos convidados a entrar; pertencemos quando começamos a participar e, sobretudo, a interferir naquele lugar.  Só há verdadeiro pertencimento quando você contribui para o crescimento. Só se torna parte de uma organização quando você aciona sua capacidade de colaboração.

Pertencimento é uma necessidade humana confirmada por tantos estudos e teorias. Todos nós temos o desejo de fazer parte, de sermos úteis, de cumprirmos com o nosso papel e deixarmos nossa contribuição. Não transfira para outras pessoas a responsabilidade de lhe inserir no mundo. Pertencimento é uma trajetória individual e intransferível que requer humildade, iniciativa, esforço e conquista diária. O meio interfere, de fato pode ajudar ou dificultar o sentimento de pertencimento, mas não define. Para fazer parte é preciso fazer a sua parte, que por sinal, é quase todo o processo. Pertencimento é o movimento contínuo de se inspirar, inserir-se, integrar e interferir… hoje, por toda a vida e para sempre!

Quando nos sentimos pertencentes a um lugar e ao mesmo tempo sentimos que o lugar nos pertence, acreditamos que podemos interferir nas rotinas e rumos desse tal lugar. (autor anônimo)

 

Publicado originalmente na coluna Viver Melhor do Diário do Nordeste no dia 11/08/2018

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.