Força de Vontade

 

Hoje ouvi meu cliente dizer: “Não tenho o direito de ter um final de semana completo, tenho que está sempre à disposição da empresa”. Assim como ele, tem muitas pessoas que acreditam que não tem qualidade de vida porque a própria vida não os permite. É muito comum escutar nas sessões: não faço exercício físico porque o trabalho não deixa, não tenho o direito de viajar, não posso fazer meu mestrado agora, não tenho tido tempo para a família, todos os dias chego tarde em casa, não consigo terminar um livro, não tenho conseguido dormir ou não tenho tempo para cuidar de mim. O que está acontecendo afinal?

O mundo está acelerado, porém mais do que o mundo, parece que as mentes estão aceleradas. Augusto Cury no seu livro “Ansiedade” já nos alerta para a Síndrome do Pensamento Acelerado. Quais consequências essa velocidade mental nos traz? Muitos são os danos, mas infelizmente a cha não caiu para muitos de nós. Quando estamos com o pensamento acelerado, aumentamos nosso nível de estresse e o estresse, por sua vez, diminui nossa capacidade de discernimento. Estressados reagimos de forma mais emocional e, por impulso, buscamos recompensas mais imediatas. Em outras palavras quando estamos estressados diminui nossa força de vontade na busca de nossos objetivos de longo prazo. Por exemplo, em situação de ansiedade e estresse, ficamos mais inclinados a optar pelo prazer imediato de um chocolate que não estava previsto na dieta do que pelo ganho a longo prazo de perda de peso, saúde e bem-estar.

Com pouca força de vontade vivemos como se a vida não fosse nossa. Comportamo-nos como se existisse algum vilão responsável pelo livro que não foi lido, pela noite mal dormida, pelo exercício que não foi feito ou pela reunião que não aconteceu. Uma vez minha mentora me perguntou: “who is the boss? (quem é o chefe?)”. Pergunta semelhante fez-me a psicóloga em outra ocasião: “quem é o adulto da relação?

Perguntas como essas nos chamam à responsabilidade e nos fazem lembrar que ninguém pode responder pela nossa indisciplina, pela nossa desorganização, pelos nossos atrasos, cansaços ou propósitos adiados. O mundo nada nos deve, não somos coitados nem escravos.

Claro que existe imprevistos e fatores externos que dificultam ou adiam a realização de alguns dos nossos objetivos, mas nada nos impede de alcançá-los. Outro dia, vi uma foto de uma mulher linda, saudável e com o corpo de admirar…no título tinha escrito “mãe de sete”. O que? E agora? O que dizer para mim mesma? Só tenho três e estou longe disso.

Não temos como nos esconder atrás das nossas justificativas….uma hora alguém as derruba.

Quando organizamos os nossos pensamentos e nos conscientizamos que somos pessoas livres para decidir como queremos cuidar de nós mesmos e das nossas vidas, ganhamos de brinde um acesso poderoso à nossa força de vontade!!! Acredito que nenhum de nós consegue ter força de vontade durante todos os dias do ano em todas as áreas da vida, mas a boa notícia é que, conforme pesquisa da Universidade de Standford, força de vontade é uma virtude que pode ser fortalecida de forma transformadora com prática e evolução gradual. Assim como um músculo, quanto mais a usa mais forte fica.

É disso que precisamos! Acionar com vontade a nossa força! Força para vencer nossas desculpas, pensamentos negativos e aquela voz dentro de nós que muitas vezes nos convida a não fazer o que sabemos que tem que ser feito hoje.

Campeões não fazem coisas extraordinárias, fazem coisas ordinárias repetidas vezes

(Dungy – Técnico de futebol Americano nos EUA)

Texto originalmente publicado na coluna Viver Melhor do Diário do Nordeste.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.